quinta-feira, 12 de junho de 2014

O que é o autismo ou transtorno do Espectro do Autismo?




Transtorno do espectro do autismo e autismo são ambos termos gerais para um grupo de doenças complexas de desenvolvimento do cérebro.

Estes distúrbios são caracterizados, em diferentes graus, pelas dificuldades de interacção social, comunicação verbal e não verbal e comportamentos repetitivos. Anteriormente, eles foram reconhecidos como subtipos distintos, incluindo o transtorno autista, transtorno desintegrativo da infância, desordem-não especificada e síndrome de Asperger.



Pode ser associado com deficiência intelectual, dificuldades na coordenação motora e de atenção e problemas de saúde físicos, tais como distúrbios do sono e gastrointestinais.
O autismo parece ter raízes no desenvolvimento do cérebro muito cedo. No entanto, os sinais mais evidentes de autismo e sintomas do autismo tendem a surgir entre os 2 e os 3 anos de idade.


Continuam-se a financiar pesquisas sobre métodos eficazes para diagnóstico precoce, como a intervenção precoce com terapias comportamentais comprovadas e que podem melhorar e obter bons resultados. Estudos mostram que o autismo é quatro a cinco vezes mais comum entre meninos do que meninas. 


O que causa o autismo?

Não há muito tempo atrás, a resposta a essa pergunta seria "não temos a menor idéia."
A investigação está agora a oferecer muitas mais respostas. Em primeiro lugar, sabemos agora que não há uma causa para o autismo, assim como não há um tipo de autismo.
Ao longo dos últimos cinco anos, os cientistas identificaram uma série de mudanças genéticas raras, ou mutações, associados com o autismo. Um pequeno número deles é suficiente para causar autismo por si mesmos.
A maioria dos casos de autismo, no entanto, parecem ser causados ​​por uma combinação de genes de risco para o autismo e factores ambientais que influenciam o desenvolvimento do cérebro.
Na presença de uma predisposição genética para o autismo, um número de não genético, ou "ambiente", as tensões parecem aumentar ainda mais o risco de uma criança.
A evidência mais clara desses factores de risco autismo envolve eventos antes e durante o parto. Elas incluem a idade avançada dos pais no momento da concepção (tanto a mãe e o pai).
Doença materna durante a gravidez e durante o parto, algumas dificuldades, especialmente as que envolvem períodos de privação de oxigénio para o cérebro do bebê. Mas é importante ter em mente que esses factores, por si só, não causam autismo. Em vez disso, em combinação com factores de risco genéticos, eles parecem aumentar modestamente risco.

Um numero crescente de pesquisas sugere que uma mulher pode reduzir o seu risco de ter um filho com autismo, tomando vitaminas pré-natais como o ácido fólico e / ou comer uma dieta rica em ácido fólico (pelo menos 600 mg por dia) durante os meses antes e depois da concepção.


O que significa ser "no espectro"?

Cada indivíduo com autismo é único.
Muitos dos que estão no espectro do autismo, têm habilidades excepcionais em habilidades visuais, música e habilidades académicas. Cerca de 40 por cento têm habilidades intelectuais acima da média. De facto, muitas pessoas, dentro do espectro, têm capacidades distintivas e formas "atípicas" de ver o mundo.
Outros com autismo, têm deficiência significativa e são incapazes de viver de forma independente. Cerca de 25 por cento dos indivíduos com autismo, são não-verbais, mas podem aprender a comunicar através de outros meios. 
Apoios, terapias correctas e tratamentos mais eficazes, podem enfrentar desafios significativos tanto na comunicação como na saúde física.
Importante é também mudar opiniões, aumentar a aceitação, respeito e apoio a todas estas pessoas e suas famílias...

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Uma pequenina, grande vitória!

Pois hoje venho finalmente com uma boa noticia e pequena/grande conquista do João.
Na escolinha as educadoras pediram-me logo desde o inicio do ano escolar que o levasse para a escola sem fraldas e assim fiz mas, no tempo que ele lá estava (as manhãs) ele nunca fazia ou seja, aguentava todo o tempo até ao momento de chegar a casa.
Corria para onde guardo as fraldas e pedia com um ar que dava pena, para que eu lhe pusesse a fralda. Umas vezes eu resistia e ao fim de algum tempo quando ia a ver já ele tinha feito no chão, outras eu não aguentava e com pena colocava-lhe a fralda e era vê-lo feliz e aliviado com o seu xixizinho feito.
Mas comecei a pensar que tinha mesmo de dar continuidade ao trabalho da educadora e que era para bem do João. Então um dia, resolvi que ia esconder as fraldas dele, ver a sua reacção...
Depois de mais uma manhã passada na escola lá vinha ele todo feliz a chegar a casa e a correr para o quarto a ir buscar a sua fraldinha como era costume mas, ao não as ver no sitio do costume, começou a achar estranho mas eu ia dizendo que as fraldas tinham acabado.
A partir daí comecei literalmente a andar atrás dele e a insistir como sempre, que era na sanita que devia fazer o seu xixi. O João ainda se sentava mas fazer uiii nada de nada, nem uma gotinha.
Um dia, dois, três e depois de alguma persistência, paciência, amor e perseguição cerrada ao João levando-o a toda a hora à casa de banho, ele sentou-se finalmente no bidé (acho que por lhe dar mais jeito, sendo que é mais baixinho que a sanita) e lá fez o seu xixi.
Gritei de alegria, dei-lhe os parabéns enquanto dizia "muito bem João" viva filho conseguiste, boa.
Ele ria, levantava os braços no ar e sentia-se um
herói, o meu herói pequenino e tão especial. Fizemos os dois uma festa, a festa da conquista e da primeira batalha vencida desde que tivemos o diagnostico dele e o que para vós pode parecer sem grande importância para mim e para ele foi muito importante....
Esta foi só a primeiras de muitas vitorias, verdade filhote?

FELIZ, MUITO FELIZ, é como me sinto hoje!




quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Como contrariar as rotinas e manter a calma?

Hoje, e de forma mais complicada, percebi a verdadeira dificuldade que é, uma simples mudança de rotina no João.
Estou aqui que nem imaginam e só me apetece chorar, mas de facto não há manuais que nos digam o que fazer nestas alturas e a calma por vezes também se mostra difícil de controlar.
Preparava o João para a escola como faço todos os dias mas hoje, ao vestir-lhe um simples casaco para a chuva, ele recusou-se determinantemente. Fez uma grande birra, deitou-se ao chão "arrancou" o casaco e parecia estar num sofrimento imenso.
Foi um verão inteiro a andar de manga curta e quando veio este tempinho mais frio foi uma dificuldade para lhe vestir algo com mangas mas assim como hoje e só por lhe vestir o casaco é que foi a gota de água. Enervei-me por o ver assim mas mantive a calma tentando colocar-me no lugar dele e na dificuldade de aceitar um simples casaco.
Resumindo, mesmo a chuviscar e estando frio , foi para e escola como uma simples sweatshirt e sempre a pedir colo.


Cheguei à escola de rastos e  a conter as lágrimas, salvou-me ou consolou-me, vê-lo feliz a juntar-se aos coleguinhas da sala enquanto olhava para mim com um sorriso....

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Novidades do João e um Apelo!

Ontem foi dia do João ir à consulta no S. João com a Dra. Alda Coelho. Gostei dela e do interesse que demonstrou logo pelo meu filho.
Ao contar um pouco a história dele e depois de o observar, uma vez mais confirmou o que nós pais já sabíamos: O João tem apresenta uma perturbação de espectro autista com dificuldades na interacção reciproca e na comunicação e que está a precisar urgentemente de apoio de intervenção precoce.
Mandou também suspender a medicação do João isto aos pouco claro, pois achou que uma criança com 4 anos não precisa pelo menos por agora de medicação e isto era tudo o que eu queria ouvir  como mãe e claro que vou seguir à risca tudo o que apenas numa consulta, ela me ensinou e ao pai.
Pediu que arranjássemos muitos livros com imagens e  se possível com sons também e visto ele gostar muito das novas tecnologias, comprássemos CD´s de jogos com muitas imagens para ele ver e jogar no pc ou na wii, consola que ele gosta muito.
O pior é que vivemos tempos difíceis e com o começo das aulas e tendo nós mais 3 filhos as despesas crescem imenso e até mesmo comprar livros didácticos e interessantes para o João me parece neste momento um pouco difícil alem disso temos as sessões caríssimas, de terapias a que o João não pode faltar.
Por tudo isto vos deixo então um pedido:
Caso tenham ou saibam quem tenha, livros ou jogos como os que descrevi e que já não precisem e que queiram dar, eu agradecia imenso.
Caso estejam interessados em ajudar-me e ao João, deixem aqui mensagem ou enviem email para: mariana5geriatria@gmail.com
Desde já agradeço a quem o possa fazer, obrigada!

domingo, 4 de agosto de 2013

Desabafos!

Como mãe de um autista devem calcular que não tenho vivido dias muito fáceis, pelo contrário e hoje foi assim: um dia difícil...

Apesar da medicação o João tem-se mostrado nervoso, ansioso, cheio de tiques e sair para ir apenas fazer umas comprinhas, também não está a ser fácil.

Tenho preferido ficar por casa e manter o João no seu ambiente e com as suas rotinas mesmo que ás vezes me apeteça tanto ir dar um passeio com a família...
Acreditem que não queria e nem pretendo, mantê-lo em casa sei que tenho de lidar com isto e habituá-lo também a ele a conviver e a ir a sítios diferentes mas os seus 4 anos, fazem-me achar que devo ir dando tempo ao tempo!

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Largar as Fraldas...


Bem, se eu tivesse um bacio como este da foto, talvez o João (amigo de computadores como ele é), já se tivesse habituado e largado as fraldas hehehe.
Mas de facto esta tarefa não está a ser fácil, e olhem que já tentei todas as estratégias possiveis: bacios, redutores, colei fotos na casa de banho com bonecos e a fazer xixi, sento-o lá e conto-lhe histórias ou canto mas nada. 
Está lá sentado breves minutos e se viro costas já está atrás de mim com aquele olhar malandreco. 
Mal lhe ponho a fralda faz logo tudo...

Confesso que com os outros 3 filhotes só por volta dos 3 anos, a largaram completamente mas com o João está mesmo a ser complicado e daqui a pouco volta para a escolinha e eu adorava que ele já fosse mais independente nessa tarefa.

Bem sei que tenho de ter paciência e que com ele, as coisas têm de seguir outro ritmo mas se alguém tiver uma dica,  aceito sugestões.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

A Importância das Rotinas


Para uma criança com autismo, é fundamental haver uma estruturação do ambiente criando assim estratégias para reduzir os seus níveis de ansiedade, nervosismo, frustração e distúrbios no seu comportamento.
É por isso necessário, estabelecer-se rotinas para o seu dia-a-dia e muito importante: avisar quando vai existir uma alteração, mesmo que momentânea, nessas rotinas. 
Se antes eu podia ia passear calmamente no shopping, ou fazer uma viagem agora deixei de o poder fazer. O João fica nervoso, mostra-se tenso, ganhou medos e, se de repente está até muito calmo, pode começar a ter uma birra e nós pais ficamos sem saber o que fazer. Irrita mesmo é ver toda a gente com olhar critico e a olhar para nós (não os culpo a sociedade é mesmo assim) mas que irrita ui se irrita.
O facto do João ser pouco verbal, tem dificultado esta tarefa mas a verdade é que tenho optado por ter uma vida o mais rotineira possível de modo a não criar qualquer motivo de ansiedade ao meu filhote...